30 de julho de 2011

Olha aí, meu leitor

Tem frutas que nunca vi, nem mesmo ouvi falar, mas agora deu para aparecer em livro: no pregão que Maurício Negro inventou — e, talvez, nenhuma outra forma popular fosse tão atraente para o autor e ilustrador, que também é publicitário, para anunciar sabores 100% nacionais ;-) E sabe o que mais? QUEM NÃO GOSTA DE FRUTA É XAROPE (Global, 2006).

Evocando os vendedores ambulantes das feiras e ruas, o longo poema se deixa percorrer por uma melodia de nomes incomuns: pajurá, coité, bilimbi, penão, macaúba, murumuru, grumixama, licuri, camboim, enfim, quase um trava-língua batucado por nosso sotaque tupi.

A todo momento, um nome de fruta estala na boca: cajá-manga, urucaba, tucumã, jaracatiá, monguba... Alguns lembram palavras conhecidas, nome de cidade, bairro, peixe, madeira, praia ou algum ponto turístico. São frutas realmente não muito fáceis de encontrar, pois escondem-se pelas florestas, cerrados, lavrados, veredas, sertões deste país. E, na ginga dos versos, a malícia típica do comerciante popular, através de sua máximas, advertências, facécias e ditos chistosos. Sabecomé, moça bonita não paga, mas também não pega...


Nas ilustrações do livro, desfilam mulatos, frutos de nossa terra, e as paisagens típicas da feira urbana, terreiros, tabas, palafitas, o Corcovado, o caudaloso Amazonas... As imagens foram feitas com um pirógrafo e coloridas com tinta acrílica e anilina diluída em extrato de banana. Bacana!

* Extraído de Dobras da Leitura 37, setembro de 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores