7 de agosto de 2013

alimento e inteligência

O’ABRE ASPAS para uma árvore


“Talvez porque não tenham raízes para traduzir a linguagem do chão, nem folhas para transformar a luz do sol em alimento e inteligência, as pessoas vivem falando, sem parar, mas quase nunca se fazem entender. Na verdade, eu acho que é porque são umas criaturas que estão há muito pouco tempo no mundo. Quando apareceram por aqui, a maioria das plantas já tinha explorado todos os cantos e recantos da terra, já tinham ocupado os vales, as montanhas, os desertos, os pântanos, as planícies, as margens dos rios, as praias e até os mares sem fim. Por isso é que sabemos tanto e tentamos ensinar o que sabemos às outras criaturas, tão mais jovens do que nós.” (Marcos Bagno) AS MEMÓRIAS DE EUGÊNIA, 2011.

*** 


Um dos destaques do ano passado, o livro de Marcos Bagno, com ilustração de capa e vinhetas de Miguel Bezerra (Positivo, 2011), foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura e um dos vencedores do Prêmio Jabuti – Melhor Livro Juvenil. Em torno da amizade e dos cento e cinquenta anos de Eugênia, uma árvore, a novela articula diferentes dobras ficcionais, como o desenvolvimento de uma cidade, junto à pequena muda de jambeiro transportada para uma terra nova, a primeira escola, as casas e os colonos, a praça, as ruas, já uma população anônima; a ventura familiar de Margarida, o nascimento de sua filha Violeta, e o segredo que passaria por seis gerações, seis histórias de mulheres daquela mesma casa; o amor perseverante de Rosa e Floriano; as voltas ao mundo e o lugar de cada um no mundo, como os frutos saborosos, na construção e a interação de caminhos entre a vida social e o universo particular.


“As pessoas se iludem tanto, Eugênia, achando que a felicidade é alguma coisa grandiosa, brilhante, infinita, inalcançável. Elas acham que a felicidade é o céu que, ele sim, é grandioso, brilhante, infinito e inalcançável... Eu sempre desconfiei que a felicidade é simples, valiosa justamente por sua humildade. A felicidade é isso aqui: um jambo maduro, cheio de perfume e de lembranças... Obrigado, Eugênia.

***

P.S. Contracenando com o livro sobre o centenário jambeiro (Eugenia malaccensis), os poros leitores da mesa de imbuia (Ocotea porosa) e as flores-cinderelas de cedro-branco (Cedrela fissilis).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores