13 de julho de 2015

tempo para saber o que o tempo é

Quando o carteiro chegou... 5


O tempo é um dos meus temas mais queridos, poético em essência, porque carrega consigo as disparidades do mundo sensível e do pensamento, pertence ou mostra-se em um número concreto de coisas, mas também possui algo das coisas imateriais como são os sentimentos, como não deixam de ser a felicidade e a tristeza. No tempo, tudo emparelha-se. Querem saber?

No livro de Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso, Com o tempo (Peirópolis, 2015), as autoras brincam com a compreensão que todos nós, crianças ou adultos, podemos ter a respeito do tempo. Partem do sentido do olhar, comparando as medidas e as mudanças com cada pessoa e com as pessoas a nossa volta, aos alimentos que se transformam de instante a instante, de um dia para o outro, durante uma estação. A experiência vai se transformando em regras, intervalos e períodos, tempo feito de temporadas.


Como as páginas de um livro que amarelecem, o tempo passa a ser percebido em suas qualidades mais subjetivas, nesse caminhar entre verbal e imagens. O feio transforma-se em bonito, contam as autoras, o difícil se torna fácil, a experiência do dia-a-dia vai adensando o conhecimento de cada um de nós. E tudo isso é dito de um modo lúdico, bem humorado, lúcido, bem retratado. O tempo da leitura exige então que se completem as lacunas pois nem tudo está dito, nem tudo está ilustrado...

Quase o tempo todo, o tempo é um ritmo de complementação. Ainda que venhamos a opor a palavra e a imagem, elas são, quando bem casadas, um só texto, quando se pensa os avanços da literatura endereçada à infância. E infância aqui adquire o sentido múltiplo de alcançar crianças e leitores adultos.

Com o tempo, perdemos algumas coisas, por exemplo, um dente que nos impede de sorrir – mas, se perdemos um sabonete dentro da banheira, sempre encontrávamos um motivo para brincar e rir com essa lembrança... e ganhamos outras! Uma medalha que outra coisa não é que uma vitória, após anos e anos de esforço e trabalho dentro da água. As ideias passam de uma a outra através da evocação, e a emoção de um acontecimento a outro flui continuamente...


Então, esse texto, esse livro que tenho em mãos torna-se difícil de classificar, mas tão fácil descrevê-lo como um texto enumerativo, uma lista de impressões, comparações, jogos de marcadas oposições, contrários, paradoxos, espantos, admiração... É um velho álbum de imagens, um imagiário, mas também é um poema novo que vai se construindo para nossa diversão e fazer refletir. Ali está o tempo do relógio, o tempo da ciência e da filosofia, o tempo do conhecimento, o tempo fora e o tempo dentro da gente. E assim vamos passando as páginas, como o tempo.


Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso, levam-nos juntamente Com o tempo da vida e da leitura. Um livro sem idade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores