12 de janeiro de 2011

tem uma rua com lua cá dentro do baú

* texto de peter o'sagae para as internas de capa ou orelhas do livro


Mágico, poeta e cantor: este é o Raimundo Matos de Leão que aqui se mostra em cada ponto, em cada trama de seus textos para teatro. Um teatro que não traz um mundo pronto, daquele jeito que a gente se acostumou a olhar, mas vai sendo construído no relampear de palavras, feito aos poucos pouquinho, que se revela repentinamente brincante e inteiro ante os olhos do espectador.
Tear de gestos, o teatro dedicado para crianças me parece ser a grande arte das transformações, um jogo dramático, livre por excelência. Afinal, no teatro, podemos ser outro que não nós mesmos, podemos viver onde desejamos nos encontrar... Com gestos imaginativos, o palco, o picadeiro, um quintal, qualquer outro espaço que nos cerca, irá conter o mundo — caminhos de viajar. Nossa bagagem está dentro do antigo baú, todo instante é hora de partir. A cada passo, uma história.

Em "Brincadeiras", quatro personagens — feito gente que nem a gente, cabeça, tronco, braços e pernas — vão saindo do escuro e iluminam o próprio nome. Isso é bonito: a criação ganha existência e tudo mais pode acontecer... e, veja você, acontecem muitas coisas! Dá até vontade na gente de pular da cadeira para o palco, participar de verdade... Essa é a idéia que alinhava as curiosas "Estrepolias na ribalta".

Ritmo da palavra que trama a trama: eis o livro, eis o texto teatral "Quem conta um conto, aumenta um ponto" trazendo cinco estórias cadenciadas, resgate de nossa tradição oral. Costura de boa agulha, a voz é a corda que prende e acorde que desperta o canta-conto bailarino e brasileiro. Ritmo de Raimundo que é narrador da vida, narrador de mão cheia, mambembe e saltimbanco, giroflê, mascate e servidor de alegria.

E, no floreio de fitas e falas, por fim, a fogueira 'inda acesa é a memória generosa, cravo, rosa e manjericão: "Cai, cai, balão" faz baixar as cortinas desse livro. No crepitar do mundo, vamos nos encontrar com aquele tico de pessoa que fomos um dia — e desejamos, então, o retorno.

Tudo bem, que no baú tem sempre rua com lua.
Quem vem?


* Quem conta um conto, aumenta um ponto, de Raimundo Matos de Leão (Letras da Bahia, 2001) trata-se de uma obra selecionada pela comissão da Secretaria de Cultura e Turismo e Fundação Cultural do Estado da Bahia. Posteriormente, a peça homônima ao título da coletânea tornou-se um livro independente. Ver postagem abaixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores