18 de novembro de 2013

Bourrée a três

Galanterias com Angela Lago – Segunda Parte
por Peter O’Sagae

Eu começo, não termino.
A impossibilidade da tradução e as outras possibilidades, entre um mestre alemão e a autora mineira, inclui-se um poeta, entre a música da poesia e o ritmo da ilustração, inclui-se a imagem no idioma estrangeiro: vamos à transposição para viola das bourrées da Suíte N.3 de Bach, e aos esboços e fragmentos de Rainer Maria Rilke, na seleção de Angela Lago (Scipione, 2012).


Dois tempos engendram o terceiro: e que estranha atividade é essa da leitura que entre um objeto amável e a declaração da posse, impõem-se um pensamento, um sentir ou uma viagem, vertigem, voragem? Angela leu os versos de Rilke sulcados na língua francesa, com os sentimentos obsessivos de um romântico tardio mergulhado em canções tantas de um envolvimento devocional à existência e as coisas que tocam seus dedos, o olfato, sua pele, a visão, sua alma atravessando o corpo. Rainer Maria Rilke era um poeta e novelista de expressão alemã e por quê, então, como, quando começou a embrenhar-se nos acessos dessa outra língua?
O que ela lhe sussurra?

Angela traduziu esta invisível mudança que nos faz estremecer: as qualidades que habitam fora da palavra e das idades: sons e sugestões que percorrem o fragmento de um texto: que sonha ser todo o inteiro: um esboço, um minuto, um amor ligeiro, um anjo adolescente: entre a criança e a mulher, a adolescente Angela: a experimentar-se outra, estranha, estrangeira: e tudo que ainda possa acontecer: o ritmo de um gesto: uma síncope: um sossego: uma hesitação entre esses textos que usam a variação como o tema principal de um encontro... ó coração que se entrega a sorrir na brandura das palavras que se fazem, desfazem em muitas feições: traduções, traduções de algo a

Compor e recompor
de tanto modo diverso,
mas como alcançar o verso
que se iguala a uma flor?

Suportamos a estranha
pretensão da artimanha:
ah, talvez um anjo, breve,
sopre o arranjo de leve.


Não sou apenas um leitor,
eu sou o leito. O intérprete. Da artimanha que não cabe no verbo, um lago de mapas, ranhuras, vestígios, simetrias que se quebram discretamente em cada imagem. Porque inquietas são. Onde o teto, o chão, a parede que sustenta o sonâmbulo? E os desenhos, assumindo qualidade e forma de mandalas, dizem dos momentos em que foram possíveis um espelho, uma perda, um acréscimo, uma inversão, um deslocamento à esquerda, um direito à infidelidade. Assim mesmo é, estranho o tempo: daqui a pouco serão outros a passar. Leitores.


Ao desejo dos significados
que se aproximam (semioticamente) nos afastamos da utopia sobre as coisas originais. Sem símbolos (perfeitos), sem índices (corretos), sem ícones (fixos), só logramos saber que algo na realidade se move (irregular/mente) no extenso contínuo das mediações: das impressões sobre o pensamento do poeta, à busca da sintaxe exata e o léxico de seus sentimentos, a descoberta como ser jovem, e uma leitura transpondo e ferindo imagens na mente e na emoção de alguém, um segundo, e um segundo momento para respirar, para viver novas palavras depois e depois olhar o mundo a fim de fazê-lo permanecer... feliz...
feliz, por um intenso segundo...
um cálice de ilustrações...
um poema, dois poemas...
uma noite plena de reticências...
E eu, tu, ela, eu termino no começo.
esboços e fragmentos
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores