26 de novembro de 2014

por onde Maria vai

Dobras da Leitura 49, outubro de 2007


O que é necessário para alguém dar uma ‘requebrada’ na vida e modificar todo o seu caminho? Dos textos mais bem comportados de Sylvia Orthof, esta história é uma das primeiras delícias que conheci: Maria-vai-com-as-outras, com desenhos da própria autora (Ática, 1982), uma fábula risonha, cheia de rimas e arejada com a precisão da lengalenga, com um bordão marcando um ritmo e o final de cada cena: Maria ia sempre com as outras.

E ela ia mesmo: pra baixo, pra cima. Ia pro deserto, pro polo sul. Enquanto o rebanho seguia com um sorriso de aceitação e as pestanas fechadas, Maria surge na ilustração de olhos abertos, insatisfeita, constrangida, mesmo assim Maria ia sempre com as outras... No meio da alvura azulada de suas irmãs, Maria era bem parecida com a maioria. Porém, sofria, como sofria. Pegava gripe e insolação.


Até que foram todas comer jiló (e Maria detestava jiló), mas como as outras ovelhas comiam, Maria comia também. Ora, é neste instante que o narrador se manifesta com uma simples e enfática exclamação: “Que horror!” E Maria pensa pela primeira vez. Pensa em si. Bastou? Que nada, Maria continuou seguindo o rebanho... E vão as ovelhas parar no alto do morro do Corcovado e, fofinhas e faceiras, vão saltando pra lagoa abaixo, muito abaixo. Conseguiram? Que nada! E Maria?


Sylvia Orthof dá um desfecho simples à história com seu recado inteligente, leve, gracejando com os leitores, com as ovelhas e com o narrador. Agora, méée, leia você este livro e descubra como caminhar por onde manda o seu pé!

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores